Um alerta sobre o combate à leucemia: Fevereiro Laranja

Com o surgimento de 257 mil novos casos por ano, a leucemia está entre os 10 tipos de câncer mais comuns em todo o mundo, de acordo com o Instituto Nacional do Câncer (INCA). O aumento do número de diagnósticos da doença, estimada em mais de 10 mil novos casos somente no Brasil para 2018, acende um alerta para a importância da prevenção, bem como para a doação de medula óssea, lembrada por meio da campanha Fevereiro Laranja, celebrada neste mês.

O hematologista do Centro Oncológico do Triângulo Mineiro, Dr. Luiz Cláudio C. Duarte, faz um alerta sobre a doença. “Ao contrário das leucemias crônicas que se iniciam de forma lenta, as leucemias agudas se manifestam de forma agressiva, por isso é importante fazer exames de sangue de rotina para descobrir se há alguma alteração que leve a suspeita da doença. Caso haja qualquer suspeita, é necessário que o paciente faça o exame chamado mielograma, em que é retirado uma pequena quantidade de medula óssea, que é o material esponjoso de dentro dos ossos, para examinar se há células anormais. Se for confirmada a doença, o tratamento deve ser iniciado de imediato já que a doença se agrava rapidamente”, alerta o hematologista.

 

Sintomas

Os principais sintomas da leucemia são fadiga, palpitação, dores nos ossos e articulações, sangramentos nas gengivas e nariz, manchas roxas ou vermelhas na pele, inchaços na região do pescoço e das axilas, febre ou suores noturnos, perda de peso sem motivo e desconforto abdominal.  Essa doença se desenvolve quando há acúmulo de células anormais na medula óssea, que é onde se formam as células que dão origem aos glóbulos brancos e vermelhos. Durante esse processo de concentração das células, as normais e saudáveis acabam sendo substituídas pelas cancerígenas.

 

Tipos da doença

– Leucemia linfóide crônica: afeta células linfóides e se desenvolve de forma devagar. A maioria das pessoas diagnosticadas com esse tipo da doença tem mais de 55 anos. Raramente afeta crianças.

– Leucemia mielóide crônica: afeta células mielóides e se desenvolve vagarosamente, a princípio. Acomete principalmente adultos.

– Leucemia linfóide aguda: afeta células linfóides e agrava-se rapidamente. É o tipo mais comum em crianças, mas também ocorre em adultos.

– Leucemia mielóide aguda: afeta as células mielóides e avança rapidamente. Ocorre principalmente em adultos em torno de 60 anos. Mas também pode ocorrer em crianças.

 

Tratamento

O tratamento visa destruir as células leucêmicas para que a medula óssea volte a produzir células normais. Neste processo, estão associadas a adoção de medicamentos(poliquimioterapia), controle das complicações infecciosas e hemorrágicas e prevenção ou combate da doença no Sistema Nervoso Central (cérebro e medula espinhal). Para alguns casos, o transplante de medula óssea é indicado após a doença ser controlada.

 

Transplante de medula

O transplante de medula óssea (TMO) não é uma cirurgia e pode ser realizado a partir de células do próprio paciente, o chamado transplante autólogo ou a partir de células de um doador que é o transplante alogênico. Nas leucemias agudas é realizado o transplante alogênico.

É muito importante se tornar um doador de medula. Os interessados em fazer a doação de medula óssea podem se cadastrar no Hemonúcleo do Hospital de Base de Bauru, que fica na rua Monsenhor Claro, número 8-88.

Outras informações podem ser obtidas pelo telefone 3104-3518



 
Fonte: http://www.ojornaldeuberlandia.com.br/2018/02/05/campanha-fevereiro-laranja-faz-alerta-sobre-combate-leucemia/


Facebook

Twitter

Exame Online

Newsletter

Cadastre-se e receba as novidades.

Responsáveis Técnicos:
Dr. Emerson Aparecido Sobrinho - CRBM 5163
Dr. Erika Michele Moral - CRBM 16814

Desenvolvimento e Hospedagem

Laboratorio Biolab © 2018 - Todos os direitos reservados

Desenvolvimento e Hospedagem